sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Hugo González: Décimas para mi madre

Hugo González: A paya nunca estará de mãos dadas com o poder


Entrevista por Berenice Ojeda – The Clinic OnLine (19/08/2013)

[Nota: Traduzi as perguntas da Berenice, porém mantive os versos no original, mais saborosos de ler (e degustar...). Apesar de conhecer um pouco o chileno, usei o Google Tradutor. Facilita, mas, atenção! Quem usa esse recurso deve depois fazer uma revisão completa. Em literatura a ajuda do Tradutor é só de 50% e ele será mais eficiente se fizer a tradução parágrafo a parágrafo. Mantive a expressão payador e suas variantes; temos em gauchês o pajador e a tradução seria trovador. Nenhum deles, porém, diz exatamente o que é um payador.]

Hugo González Hernández, poeta, payador, menestrel e violeiro, nascido em San Carlos, província de Ñuble [Chile]. Autor de 50 sonetos, prefaciado pelo Prêmio Nacional de Literatura, José Miguel Varas, cultiva há mais de uma década a arte do verso improvisado: a paya.

Além das apresentações ao vivo no palco, chama a atenção de seus seguidores, o modo particular de expor e relatar notícias e experiências sobre eventos diários que absorve nos espaços públicos e virtuais em que participa. Paragens comuns que "falam" de modo harmônico e versificam o cotidiano público e privado.

A possibilidade de uma poesia popular transitando lugares antes impensáveis, porém presente desde o início do Chile republicano, como canal de expressão transversal e coletivo e, particularmente, dos setores marginalizados, é altamente atraente e até subversiva. 

A ideia original desta entrevista – formular as perguntas no verso – foi rapidamente descartada ao constatar a magnitude de tal tarefa: a complexa estrutura das estrofes que cultiva e constrói o payador. Rigor que contrasta com a ótica instalada a partir da cultura dominante, que o tem representado sempre como figura pitoresca, apenas apta para fazer as pessoas rirem através verso simples e picaresco, sem profundidade e senso estético. Hugo é responsável por desmistificar este olhar. Veja como e por quê.

Berenice Ojeda: Como se define um payador e quais são seus antecedentes históricos?

Hugo González:

Payador es el poeta
que improvisa poesía,
porta una sabiduría
y una herencia que respeta.
Del canto labra la veta
junto a su hermano y rival
y así forjan un caudal
de estrofas que emprenden vuelo
porque la Paya es un duelo
de improvisación versal.

El arte del cancionero
y del verso improvisado
es patrimonio y legado
del planeta por entero.
Se encuentra en todo sendero
en oriente y occidente,
es una expresión potente
que por la historia nos lleva
y es virtud antigua y nueva
que florece de repente.

Berenice Ojeda: Se todo payador é um poeta, como está claro, poderia todo poeta vir a ser um payador?

Hugo González:

Claro que sí, pero debe
formarse en música y verso
y explorar el universo
por donde el canto se mueve.
Y así después, si atreve
a ir practicando en la pista
y a ir puliendo cada arista
con amor y sacrificio
podrá ejercer el oficio
y el arte del repentista.

Berenice Ojeda: Segundo a tua resposta, um payador se educa. Esta “formação” se encontra na academia?

Hugo González:

Más que academia, el cantor
se forja su propia escuela,
como Violeta o Gabriela,
Víctor, Pablo o Nicanor.
De autodidacta labor
es su estudio personal,
hay libros, instrumental,
y maestros de experiencia,
pero se aprende en esencia
de la tradición oral.

Siguiendo la trayectoria
de la canción verdadera
que ha logrado la quimera
de vivir en la memoria.
De filosofía, historia,
de las noticias del día,
buscando sabiduría,
y plasmando en sus razones
ideales y emociones
de él y la ciudadanía.

Berenice Ojeda: Nos versos que o payador canta, se destaca a rima e se reconhece uma estrutura, uma regularidade na construção. Quais são as formas poéticas e o timbre musical empregados por ele?

Hugo González:

Hay varias formas versales,
en el Canto a lo Poeta
la décima y la cuarteta
son las dos fundamentales.
Hay formatos ancestrales
en su impronta discursiva
y de igual modo cultiva
cueca, romance, ovillejo,
como genuino reflejo
de una herencia creativa.

Están las entonaciones,
las variadas armonías,
la suma de melodías,
variantes y afinaciones.
En las improvisaciones
la música es la diadema,
está el ruedo que en su esquema
enlaza voz e instrumento
y el fundado o fundamento
que es el tema del poema.

Berenice Ojeda: Esta capacidade de improvisar poesia, presente em todas as culturas, tal como dizes, também é conhecida como repentismo em Cuba, bertsolarismo no País Vasco [repente no Brasil] ou trova em outros países. O quê diferencia ou quê irmana a paya chilena em relação às outras expressões de poesia improvisada?

Hugo González:

De ancestro español-arábico
acá en nuestro continente
la base común presente
es el verso octosilábico.
La décima en vuelo atávico
es nuestra herencia mestiza.
El canto individualiza.
La música diferencia
el estilo y procedencia
del poeta que improvisa.

Acá, la paya chilena
también acopia sus normas,
sus instrumentos, sus formas
de improvisar en la escena.
En integrada faena
se ejerce la creación,
siempre hay mucha interacción
con el público presente
bajo la luz permanente
de la comunicación.

Berenice Ojeda: Você fala de formas ancestrais presentes na construção de seus versos. Precisamente, no contexto histórico e cultural do nosso país, há muitos exemplos do uso de décimas e coplas como canal de expressão, especialmente nos setores periféricos da sociedade. Hoje esses exemplos permanecem, como é o seu caso. Por que essa forma de expressão é propícia para isso?

Hugo González:

Es porque la copla trina
habitando en la memoria
como el fruto de una historia
común, vigente, genuina.
Es el arte que camina
por el campo y la ciudad,
que en su vital claridad
canta las verdades plenas
y transita por la venas
del pueblo y su identidad.

Berenice Ojeda: Entre os instrumentos que acompanham o canto do payador se destaca o guitarrón, por seu particular som e forma. Qual é a sua origem?

Hugo González:

Igual que varios laúdes,
de Andalucía moruna
llegó su abuelo y su cuna
hasta nuestras latitudes.
Aquí expandió las virtudes
de su sangre primitiva,
se refundó en fuerza viva
y así fue en nuestra región
que tomó su afinación
y forma definitiva.

Y al nombrar los instrumentos
que tañe nuestra muñeca,
para más conocimientos
los detallo en esta cueca:
Los instrumentos chilenos,
solistas o en el conjunto,
abrigan de acordes plenos
la cueca o el contrapunto.

El primero de todos:
el guitarrón
con 25 cuerdas
de inspiración,
de inspiración, ay sí,
luz a granel,
la guitarra traspuesta,
arpa y rabel.
Poesía y cordaje,
bello lenguaje.

Berenice Ojeda: Esta capacidade de improvisar e o convite para um "duelo" que você apontou no início, provoca tensão quanto ao desafio imediato de responder à provocação e ao desenrolar caprichado da estória, o manejo preciso da palavra durante as apresentações. Há também um consenso em apontar o crescente distanciamento das pessoas com o uso correto da palavra, um empobrecimento da linguagem, dizem alguns. Como enfrentar esse paradoxo de frente, pensando no público que o acompanha?

Hugo González:

El buen cantor siempre busca
ensalzar la poesía,
se opone a la grosería
y a la vana frase chusca.
Busca que en el canto luzca
la belleza más potente,
y en verso alegre y valiente
canta con fuerza y gracejo
siendo la voz y el reflejo
de lo mejor de su gente.

Improvisar el lirismo
porta un respeto evidente
por el arte y el oyente
y también por uno mismo.
La paya es colectivismo
en su valor esencial
y en la alegría vital
de compartir la palabra
germina, se crea y labra
una integración global.

Berenice Ojeda: Este tipo de democratização da palavra, este coletivismo que envolve a sua criação atrai um público específico? Qual é o público dos payadores?

Hugo González:

Niños, jóvenes, ancianos
que valoran el lenguaje,
que distinguen del paisaje
la maleza de los granos.
Siempre alegres ciudadanos
que cultivan la amistad,
y que en la diversidad
de su edad o sus colores
disfrutan de los valores
de la creatividad.

Berenice Ojeda: Insistindo nisso de coletivismo e integração. O que você acha do uso de redes virtuais? Consideradas canais de comunicação não direta, como é o contato direto e habitual dos payadores com o seu público Não é por acaso um contrassenso?

Hugo González:

Pues no. Viendo día a día
la bazofia y sus asedios,
hay que utilizar los medios
que da la tecnología.
Nuestro verso es armonía
que avanza con los periodos,
la paya abarca en sus modos
pasado y actualidad
porque porta una verdad
que nos pertenece a todos.

Berenice Ojeda: Tradição, heranças criativas e musicais, patrimônio cultural; são expressões ligadas à arte que cultivas. Por que a tua ausência da agenda cultural do Estado?

Hugo González:

La educación, la cultura,
merecen más atención,
más espacio y difusión
frente a tanta oferta oscura.
Porque es vida y hermosura,
comunicación feliz.
El arte es fuerza motriz
que una gran riqueza acopia,
que es necesaria y es propia
de nuestro hermoso país.

La Paya tiene la fuerza
de la creación y el gozo
e incomoda al poderoso
que actúa de forma inversa.
Es integral y diversa,
e invita a reflexionar,
la Paya nunca va a estar
de la mano del poder
porque su razón de ser
es el alma popular.

Berenice Ojeda: Um tipo de provocação subversiva?

Hugo González:

Más que una provocación
es el habla natural
del pueblo con su caudal,
sin ideologización.
La paya es una expresión
que cabalga por doquier,
es de hoy, mañana y ayer,
es poesía en el viento,
y si asumes el intento
también lo puedes hacer

Berenice:

Yo creo en la libertad
que tiene toda expresión
de defender su visión
su bandera, su verdad

Hugo:

¿Te das cuenta que tú puedes
brindarle alas al verso
y en un poético esfuerzo
lanzar a la mar tus redes?
si tan solo te concedes
un segundo para ver
que allí dentro de tu ser
hay sentimientos e ideas
si te lo propones, creas
y un verso puede nacer.


segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Autor: Franklin Maxado Nordestino

ESTAMOS RUBROS DE RAIVA
ABAIXO A COPA DO MUNDO
CHEGA DE DEMAGOGIA
BASTA DE IMPUNIDADE
PELA EDUCAÇÃO E SAÚDE
SEGURANÇA E CULTURA
ORDEM E PROGRESSO!

                     

Se Deus é brasileiro
O Céu é uma anarquia
Pelo que tem o Brasil
Só pura Demagogia
É o país do Faz-de-Conta
Cheio de Burocracia.

Pro cidadão brasileiro
Se exige mais respeitos
Paga como contribuinte
Os tributos sem direitos
Porém só o que ele sente
É mentira e desrespeitos.

Cada dia aumenta taxa
E imposto sem dar nada
Apetite dos políticos
Come tudo na sentada
Nutrindo a corrupção
Com a Nação atrasada.

A juventude volta às ruas
Como na era das Diretas
Depois com caras pintadas
Pra derrubar entre metas
O Collor da Presidência
Ficando as gentes quietas.

Se o nosso Castro Alves
Vivesse também estava
Junto com os cordelistas
E contra os maus bradava
Ia para as praças públicas
E com todos protestava.

Teria aumento de ônibus
Como a Derrama mineira
Tal pretexto de protesto
De Inconfidência Brasileira
Por motivo de tarifa
Para não ser rotineira.

O povo está nas ruas
E tem reivindicação
Quer Saúde Segurança
Justiça Educação
E no lugar disso tudo
Só nos trazem inflação.

Gostamos de Futebol
Mas esta Copa do Mundo
Tem secretas intenções
E interesse segundo
Ou exploração total
Tornando evento imundo.

Trouxeram agora esta Copa
Do Mundo de Futebol
Para enganar o povo
Gastarem fora do rol
Criando estádios de luxo
E nos deixar na pior.

Perdemos soberania
Para o que a FIFA quer
Acabam pistas olímpicas
Pra outro esporte não ter pé
Vão ser elefantes brancos
Após passar o banzé.

Se gasta o que se tem
Pra obras essenciais
Como portos ferrovias
Aeroportos e mais
Que criariam progresso
E bem-estares gerais.

Fazendo um mar de obras
O Brasil deslanchará
Tendo desenvolvimento
Sem procurar tapear
Sem inventar as mentiras
Pra poderem nos roubar.

Mas os políticos acham
Que são donos do país
Dão esmolas para pobre
Iludindo ser feliz
Quem tem sua consciência
Luta para não ser infeliz.

Agora se volta às ruas
Por Brasil indignado
Protestando contra coisas
Pois tudo é maquiado
Se esconde realidade
Com preço inflacionado.

Até velho como eu
Não vai se acovardar
Vamos unidos vencer
Não vamos nos dispersar
Marcharemos bem unidos
Que nada vai nos separar.

O povo está desarmado
Mas sai para protestar
Os ladrões é que se armam
Para matar e roubar
Estuprar e ainda mais
Se presos podem ganhar.

O jovem não pode não
Ajudar para o sustento
Da família e trabalhar
Num serviço leve e lento
Aprendendo a profissão
Que pode ser mantimento.

Pois trabalho é estudo
E se aprende ganhando
Não pode é ficar quieto
Sempre se desocupando
Sem ter responsabilidades
Em nada colaborando.

O Governo só dando
Bolsas sem retribuição
Acostumando o povo
Na preguiça e fruição
Só dando mais direitos
Sem nenhuma obrigação.

Ele fez uma propaganda
Oficial em que diz
Que ser uma prostituta
É uma vida feliz
Influenciando jovem
A fim de ser meretriz.

As moças querem parir
Mesmo sem ter certo par
Somente pra receber
Auxílio para gastar
E o filhinho coitado
O mundo é quem vai criar.

Com os índios é outra
Forma de Demagogia
Estão criando países
Dentro da soberania
Já tem gente da cidade
Dizendo ser de etnia.

Também dizem que os negros
Devem ter indenização
Então de Portugal cobrem
Foi quem trouxe a escravidão
Todos nós somos mestiços
Quer seja branco ou não.

Muito pobre lusitano
Veio cá pra trabalhar
Deu duro economizando
Para família formar
Se meteu com negra e índia
E nova raça criar.

Como o Brasil é grande
E rico em seus recursos
Estrangeiros criam ONGS
Pra ministrar seus cursos
Defendendo minorias
Agindo tais amigos ursos.

E assim metem a mão
Criando desarmonia
Exploram todas as riquezas
Com modos de garantia
Ensinando a mentir
E ganhando a mais-valia.

Somos todos brasileiros
De várias origens e cor
Não vamos nos dividir
Semeando o desamor
Lembrando de diferenças
Quando união é fator.

Queremos ser irmanados
Não queremos dividir
O país como despojos
Nós vamos é nos unir
De norte a sul de  oeste
A leste para o porvir.

O Brasil é um gigante
Dorme mas se levanta
Como agora se registra
Vai para as ruas e canta
Protestando por desmandos
Com finalidade santa.

Não se quer nenhum Partido
Pra nossa representação
Porque atuais políticos
Praticam corrupção
Como regra normalíssima
Que quase não há exceção.

Os nossos representantes
É o avô pai cunhado
O irmão filho sobrinho
Genro e apadrinhado
Tal uma ação entre amigos
Disputando o eleitorado.

E o povo é palhaço
Se vendendo pra eleger
Aqueles em que família
Já faz parte do poder
Alguns recebem dinheiro
Pois sonhos não podem ter.

Lutei pela Anistia
Por Diretas e Abertura
Com meu Cordel inocente
Fazendo Literatura
Reivindicando Saúde
Educação e Cultura.

Minha missão de poeta
Do povo e nacional
Denuncia e requer
Realizar ideal
Do Brasil pra ser Nação
Dar exemplo mundial.

Pedi a Democracia
Tirando os militares
Mas políticos que entraram
Quiseram ter caviares
Sorriem tripudiando
Enganando com esgares.

Queremos mais a Cultura
Saúde Educação
Justiça para o Nordeste
Obras pra toda Nação
Sem propinas e desvios
Matando a corrupção.

Acabar os privilégios
Como os saldos bancários
Que os bancos cobram taxas
Comendo os nossos salários
Emprestando a juros altos
Com seus atos salafrários.

Porque toda a classe média
Paga a Demagogia
De ajudas e migalhas
Pra criar cidadania
E para as autoridades 
Farrearem na orgia.

Até mesmo o juiz
Vira grande marajá
Cheio de mais regalias
Demorando a julgar 
Deixando as tetas pingando
Pro político mamar.

Não se quer olhar estrelas
No céu azul da bandeira
Se quer Ordem e Progresso
Numa paz bem verdadeira
Num verde de esperança
Mas em rubra gritadeira.

Vamos usar a Internet
Este invento americano
Que é bom pra nos unir
E divulgar nosso plano
Deixar a gente sabendo
Pra não se ter mais engano.

Não vamos nos dispersar
Já o Ulisses dizia
Mas em frente pra mudar
Com a meta que unia
Se ficarmos assim se vence
E vira Democracia.

O Brasil se torna um céu
São Pedro fecha o portal
Só entra quem quer trabalho
E sai quem é marginal
Aí o chefe é deus
Será então o maioral.

Vamos ser civilizados
Convocando o irmão
Informando o que se passa
Com toda nossa Nação
Combatendo o vandalismo
Que aproveita ocasião.

Também não perdoaremos
Os políticos corruptos
Cadeia pra eles é pouco
Pois sempre serão uns putos
Por mais que sejamos cristãos
Teremos de ser resolutos.

Muito mais podia ter
Anunciando em protesto
Xeretando os nossos males
Aqui o meu grito presto
Demagogia terá fim
O que eu disse é honesto.

Feira de Santana, 19 de junho de 2013